Meu poema 310: Sabedoria Meeting

Meu poema 310: Sabedoria Meeting

O xamã sabe aqueles barulhos ...
Eles às vezes perturbar a caça ... eles
são, por vezes, o resultado da caça ...
Você vê, o xamã tem mantido
às suas raízes, não como os xamãs
reed flauta, tendo sido cortado de
sua raiz, suas sondagens são o
lamentações do coração partido
que o xamã sabe, mas ele
Também sabe do coração curado ...
conhece os Grags geladas e sombreado
vales ... tornando-se sabendo das músicas ...
Do vazio entre as notas, entre
as letras, entre o fôlego tomado
e se o ar expirado ... Não
ele encontra o conhecimento da Sabedoria ...
Lá, ele encontra Her ... Mãe Sophia

---

Adendos I54: Oscar Wilde disse:

"Ah! Não diga que você concorda comigo. Quando
pessoas concordam comigo eu sempre sinto que devo estar errado. "

Será que nossos poemas têm
para agradar a todos?
Será que temos
a responsabilidade de ser provocativo?

Sim! HOMENS!
Temos essa responsabilidade!

Claro! Temos essa responsabilidade!
Wilde disse isso! Wilde viveu isso!
Nossas circunstâncias "modernas" exigem que ...
Como não poderíamos ... mas para convidar outro Hitler ...

Gaia, a Mãe Terra está exigindo que!
Criando tempestade após a tempestade maciça
além de nossa experiência ...

Eu estou exigindo que! ... De
meus irmãos e minhas irmãs!

A chamada foi feita! É internacional!
grama enraizada, chamando, mas andamos em cima ...
saltar de volta para o ar chamando ...
Mas chamar de novo ... toda sociedade ... cada Coração
A mãe e as mães em todos os lugares estão chamando ...
Padres cair guerra de sua consciência.
Ele não tem futuro ... Ele gera nenhum futuro ...

Mas ... se!
E um inferno Earthen é o resultado ...
Mais e mais ... de novo e de novo ...

HOMENS! O que mais provas precisam ser retratada do que goriest
Glorious 20th Century ... ???

HOMENS ... Quem somos que nós podemos "T VER
IN toda essa luz ??? !!!

Wali Qutbuddin Loren Ruh Smith
06 de agosto de 2014

Qutbuddin Loren Ruh Smith: Eu sou 75 anos, nascido em Tacoma, WA e foi para a escola em Arcata, CA. Servi no Exército dos EUA, conheci minha primeira esposa e tivemos nosso primeiro filho na França. Eu comecei a escrever poesia na minha primeira faculdade aula de Inglês em 1961. Eu já publicou um livro chamado O Caminho para o Bem-Amado e eu tenho vários livros prontos para publicar. Eu vivia nas serras em Grass Valley por 30 anos antes de se mudar para Albuquerque, NM, em 2012. Meu livro sobre pais e filhos chamados Este menino e sua árvore estará indo para as editoras em breve.

Google+ Facebook Chilro Ação

INFÂNCIA: Não é exatamente um Film Review

GUEST POST: por Peter Clothier

Originalmente publicado em Diários de Buda

(Por Luka, um pouco mais tarde em sua vida)

Eu acordei esta manhã pensando sobre Barack Obama, e como ele se encaixa perfeitamente no modelo de masculinidade proposto por Rudyard Kipling em seu poema injustamente caluniado e frequentemente parodiado No caso de você não se lembra, é assim que começa "Se.":

Se você pode manter sua cabeça quando tudo sobre você
A perdeu e culpando-o em você,
Se você pode confiar em si mesmo quando todos duvidam de você,
Mas tenha permissão para sua dúvida também;
Se você pode esperar e não estar cansado pela espera,
Ou sendo enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, não leve ao ódio,
E, no entanto, não parece muito bom, nem falar muito sábio ...

Isso não soa como Obama?

Primeiro, porém, Boyhood, que provocou esses pensamentos. Finalmente chegamos a ver este filme belo e profundamente comovente na noite passada. Eu amei a viagem desses atores hábeis e dedicados de doze anos, jogando fora o desenvolvimento emocional dos personagens fictícios envolvidos em uma narrativa ficcional, como eles mesmos fisicamente envelhecido. Eu amei a "verdade" da história em si, de uma família lutando com as realidades da vida-os casamentos fracassados ​​e falhando, os problemas financeiros, o abuso de álcool e drogas, Irmãos amor e rixas, escola e as relações com os colegas, a dor da adolescência, e assim por diante. Tudo junto, do início ao fim, a história teve a convincente "sensação" da vida como a maioria de nós experimenta.

E o filme é fiel ao seu título. Trata-se de infância. Mesmo no final, o menino, Mason, cuja vida temos vindo a seguir desde a escola primária à universidade ainda não emergiu totalmente para a idade adulta. A última fotografia mostra-lhe, literalmente, no alto das belas paisagens naturais das montanhas, e de alta sobre o cogumelo alimentou-o pelo seu novo colega de faculdade. Com uma encantadora mulher jovem ao seu lado, eles ainda sentam-se lado a lado timidamente e não em algum falso, prematuro abraço, ele olha para fora em êxtase com a paisagem como se em um futuro cheio de encanto. Mas é claro que ele ainda é um menino. Boyhood ainda brilha em seu rosto; ele é tudo promessa, nenhuma conclusão.

O que não deveria nos surpreender. Ele não tinha modelos de masculinidade real como ele estava crescendo. O pai biológico de Mason é um patife encantador em seus primeiros anos, incapaz de aceitar as responsabilidades do casamento, trabalho e família. As relações subseqüentes Suas formas mãe são com homens cuja masculinidade é tão questionáveis ​​quanto a do pai: a acadêmica suave cuja inseguranças levá-lo a embriagada tirania; um ex-militar cuja imaturidade é revelado em sua insensibilidade e inflexibilidade. Com uma notável exceção em um professor de fotografia que tenta mudar o nosso Mason além de sua obstinada, adolescência-o forte, figuras maduras letárgicos que cercam o menino que cresce são mulheres. Os homens estão simplesmente crescido meninos.

O que me leva a refletir, além dos parâmetros do filme, sobre esta questão: quais são os atributos da masculinidade? Nós encontramos o que eu penso como um homem de verdade tudo muito raro em nosso mundo contemporâneo. Estamos rodeados por toda parte por homens ungrown: os bêbados, os abusadores, os workaholics; sacerdotes e mestres que se aproveitam de seus cargos de confiança e explorar as vulnerabilidades das crianças; Os amantes que tomam o que eles precisam e rejeitar a responsabilidade; os políticos que não têm coluna vertebral para governar e capitular muito facilmente para aqueles que manipulá-los; idiotas arma em punho, que insistem tão estridente em seus "direitos" e são rápidos para desprezar os direitos dos outros; heróis do esporte inflado com drogas ilícitas e testosterona falso; ídolos culturais mimadas, muitos deles pouco mais do que adolescentes.

Muitas vezes, os modelos de masculinidade que são oferecidos são caracterizados por uma falsa noção de força. Para retornar ao presidente e sua situação atual, como ele é cercado por progressistas para a esquerda e fanáticos cegos pela sua própria retidão, à direita, todos beliscando seus calcanhares e exibições de força exigentes bem-intencionado. Eles não conseguem entender que as qualidades da verdadeira força não são inflexibilidade intelectual e erupção cutânea, ação temerária (o ex-presidente e seus facilitadores vêm inevitavelmente à mente), mas a maturidade para voltar atrás e dar a visão de longo prazo, a sabedoria de ouvir e, quando necessário, para mudar. Mesmo a dobrar. Isso também faz a força. Eles não aprenderam a antiga lição de carvalho e a cana .

Os atributos da masculinidade, na minha opinião, são estes: integridade, um sentido de missão, uma devoção ao serviço. Sabemos como ensinar essas qualidades. Fazemo-lo com os nossos militares no boot camp (mulheres, também, nos dias de hoje, é claro, mas eu estou preocupado aqui com os homens.) Enquanto eu não sou um fã do militarismo, sob qualquer forma, eu vou admitir que em maioria dos casos, até mesmo esta forma grosseira de início pode produzir admiráveis ​​homens-homens que têm não só a força e habilidades, mas um senso de propósito maior do que eles mesmos. Nossas forças armadas são dignos do respeito que eles recebem. O que transforma meninos para homens é esse tipo de iniciação-a ritualizada processo que está faltando significativamente no desenvolvimento do jovem que é retratado em "Boyhood", como é para a maioria de nós hoje. De mim mesmo, se eu estou para ser honesto, devo reconhecer que cheguei a alguma medida de masculinidade apenas em meus cinqüenta anos. Para o início genuíno em nossa cultura, temos substituído tais rituais tépidas como confirmações cristãs e mitvahs barras.

Eles não fazer o truque. Nas culturas tradicionais, a transição foi uma jornada muito mais perigosa, envolvendo verdadeira ameaça para a vida ea integridade física quanto os meninos foram enviados para a selva ou floresta para temperar a vulnerabilidade e temor de infância no aço que seria necessário para funcionar como um homem. Nós, no mundo ocidental moderno não têm animais selvagens para lidar com, a menos que nós contamos com eles dentro. Esquecemos que estes são poderosos o suficiente para governar nossas vidas, se nós não aprendemos a reconhecer e confrontá-los. O mito precoce de iniciação para nós é o calvário do aprendiz cavaleiro, que monta para a floresta para testar o seu valor contra o cavaleiro ou escuro o dragão e retornos preparados para servir a sua rainha.

O que é integridade? Em termos simples, é a coragem de dizer sem medo exatamente o que quero dizer, e fazer exatamente o que eu digo. O que implica, naturalmente, uma visão clara sobre quem eu sou eo que eu sou dado a fazer. Se eu estou em dúvida ou confusão, me falta vontade. I hesitar. A resposta não está em negar dúvida e confusão, eles são uma parte do ser humano. Ninguém escapa. Ao negar-lhes que eu arriscar uma ação precipitada e fútil, quando o que eu preciso primeiro é consultar a sabedoria interior que tenho lutado comigo mesmo de encontrar, e redescobrir a clareza antes de agir. Um homem de integridade é um homem que "tem o seu agir em conjunto," no sentido de que suas ações estão em congruência completa com suas palavras. Ele tem "integrado" os quatro pilares do seu ser: mente e corpo, sentimento e espírito, e eles são adequadamente em equilíbrio. Ação que não é apoiada por todos os quatro deles em uníssono-action que carece de pensamento, ou coração, ou energia, ou propósito é tão ineficaz quanto à omissão em tudo.

Inseparável da integridade de um homem, então, é o entendimento de que ele deixou para trás a inocência da infância, juntamente com a liberdade que a acompanhava. Ele vive em um mundo de prestação de contas para os outros e reconhece seu dever (sim, desculpe, um, conceito antiquado pitoresca!) Para servir aos outros do que a si mesmo. Infelizmente, é verdade que a maioria de nós não conseguem fazer jus a este ideal. Nós olhamos ao nosso redor, procurando em vão, na maior parte para o nosso Mahatma Gandhi, o nosso Nelson Mandela, Martin Luther nossos Reis-homens que certamente não faltaram nas falhas que os fizeram ser humano, mas que conseguiu ser magnificamente maior do que os seus pontos fracos, e de espetacular, serviço histórica para os demais seres humanos.

Nós não podemos todos ser homens como estes, mas podemos ser homens. Sem o desafio de ritos de iniciação tradicionais, somos obrigados a encontrar, ou inventar, a nossa própria jornada desde a infância até a idade adulta. Não é uma tarefa fácil para enfrentar a escuridão e os demônios interiores que, sem a nossa consciência, podemos controlar nossos destinos. Todos nós precisamos de algum tipo de apoio como nós fazer esta viagem: a igreja, talvez, um guia espiritual, um terapeuta treinado ... E a viagem, para a maioria de nós, nunca está terminando. Quem pode se sentar sobre os louros e dizer com certeza: eu cheguei a plenitude da minha masculinidade? Mesmo em, no máximo, o meu último trimestre aqui entre os vivos, eu ainda lutam com a minha própria.

Então deixamos o nosso jovem protagonista, em "Boyhood", com a viagem para a idade adulta ainda pela frente. Ele pode já ter sido iniciado no sexo e drogas, para o trabalho penoso de trabalho e agora, finalmente, o dormitório da faculdade, mas nenhum deles abriu a porta para o profundo trabalho de verdade, interior que ele vai ter que fazer se ele é se tornar o homem que ele precisa ser, se quiser cumprir o destino de sua vida. E ainda que está por vir ...

Preste atenção para próxima novela de Peter Clothier sobre a sexualidade masculina, "o pessoal da Pilgrim" (um eufemismo velho para o pênis.) Ele é contada por dois narradores, uma figura pintor contemporâneo e do século 18 e cavalheiro Inglês. Cenas de sexo Frank e potboiler emoção! Peter é um NWTA 1994 iniciar, um one-time Elder Ritual ativa, e um escritor de arte bem conhecido. Seu livro mais recente, "Slow Looking: A arte de ver a arte", explora os valores de contemplação e meditação. Sinta-se livre para escrever-lhe em peter clothier@mac.com .

Google+ Facebook Chilro Ação

O Transformacional Power of diárias Rituals

Por Gonzalo Salinas

De acordo com Charles Duhigg autor de The Power of Habit: Why We Do What We Do in Life and Business , cerca de 40% do que fazemos todos os dias, fazemos inconscientemente. Nós formamos um hábito que temos a tendência de repetir todos os dias, e está fazendo as nossas escolhas para nós.

Então, pensar em todas as coisas que você faz todos os dias. Alguns deles provavelmente não servem o seu propósito mais elevado, mas ainda assim, você repeti-los religiosamente ... mesmo sabendo comportamentos específicos estão colocando-lo longe da realidade que você quer viver. Duhigg explica que toda vez que você repetir esses hábitos seu cérebro reforça-los ... por isso anseia, mais tarde, essa repetição. Mesmo se não é benéfico, você recebe uma recompensa neuro-química em seu cérebro que não só irá criar algum tipo de vício, mas também reforça a identidade que você criou para si mesmo.

Eu tentei muitas vezes para mudar maus hábitos e criar novos. Com um coração sincero, devo confessar que eu falhei mais vezes do que conseguiram. Mas eu notei algo aconteceu toda vez que eu estava conseguindo; os novos hábitos positivos foram rituais diários.

Sim. Eu tenho rituais. Ritual - ". Uma série de ações ou tipo de comportamento regularmente e, invariavelmente, seguido por alguém" Repito certos rituais todos os dias, e acredite caro leitor do Jornal MKP, para repetir uma ação todos os dias, não é uma tarefa fácil, especialmente quando eu estou tentando criar um novo eu.

Deixem-me partilhar alguns rituais diários na esperança de que isso vai inspirar a ação para melhorar a vida.

Eu faço o meu rituais primeira coisa na parte da manhã: Eu acordei e eu ir para uma corrida. A parte de execução é simples. Eu já disse a mim mesmo que, assim que eu ouvir o alarme I deve saltar para fora da cama. No início foi difícil, agora é automática. Minha recomendação é evitar lidar com qualquer logística - para que o seu sportswear devem estar prontos ao lado da cama na noite anterior.

sol nascente

Um segundo ritual é: eu carrego na minha carteira uma página manuscrita. Um dos lados da página é dividida em duas partes: no lado esquerdo tenho algumas declarações: minhas falhas ou fraquezas para se tornar consciente do que eu quero mudar, e no lado direito as minhas boas qualidades e virtudes que me lembrar as ferramentas que eu tenho para o meu próprio crescimento. Deliberadamente esta segunda lista é maior do que o primeiro. Do outro lado do papel que eu escrevi uma breve composição sobre quem eu quero ser. Eu incluí metas e projetos e uma descrição de como eu me vejo nos próximos três anos.

Eu li este papel três vezes por dia. Assim que eu acordei, na hora do almoço, e antes de eu ir dormir. Ele me leva dois minutos cada leitura. Quando eu li isso eu me concentro em ficar presente: apenas lendo.

Terceiro: Na parte da manhã eu também faço uma breve visualização ... bem antes de eu voltar de correr eu paro e me visualizar: Isso me leva de três a cinco minutos. Eu visualizo os mesmos três gols que tenho escrito no papel eu carrego na minha carteira.

Finalmente, é o meu tempo gratidão. Em um notebook eu tenho especificamente para a gratidão, bem antes de eu ir dormir, eu escrever três coisas que eu sou grato por esse dia. Não importa se é tão simples como "o garoto que eu vi que tem um pouco de sorvete na estrada Lincoln em South Beach." Se eu sentir vontade de escrever isso, eu escrevê-lo. Então eu digo uma breve oração, e eu ir dormir.

Estes quatro rituais mudaram a minha vida   dramaticamente nos últimos dois anos. Eu estive 100% consistente com eles? ... Absolutamente não. Eu costumava dar a mim mesmo um sentimento de culpa, isso geralmente me levou a abandonar a minha prática regular por um tempo. Se por alguma razão eu sinto falta dos meus rituais agora, em vez da auto punição, eu só seguir em frente.

É isso aí. Apenas um par de coisa antes de eu terminar: Você pode perceber que meus rituais são muito simples; eles são simples, porque quando eu criar um plano complexo, eu acho que eu estou planejando falhar. Comece pequeno e seguir em frente; ele é um ótimo exercício de amor próprio.

E, por último, ser criativo com seus rituais! Algumas pessoas criam uma visão placas com imagens, outros fazem mantras ou encantamentos, outros meditar ou fazer exercícios de respiração. Os rituais tornam-se hábitos por causa da repetição e da prática diária faz com que a transformação.

Eu tenho mais de meus 2 anos de rituais que de toda a minha vida anterior sem eles. Use-os e depois você me diz!

Gonzalo foto

Gonzalo Salinas é editora assistente para a humanidade Projeto Journal, uma publicação do projeto da humanidade, uma orientação e formação organização sem fins lucrativos que oferece oportunidades poderosas para o crescimento pessoal dos homens em qualquer fase da vida. Salinas estudou Literatura em Lima, Peru, em San Marcos University, e tem estado a viver nos Estados Unidos desde 2003. Ele vive em Miami, FL. Salinas tem o compromisso de seu próprio desenvolvimento pessoal, e para espalhar a palavra sobre a visão e missão do Projeto Humanidade .

Google+ Facebook Chilro Ação

Seu Distração Vortex - Finalidade bloco # 3

por Chris Kyle

Se você perdeu o especial Q ao vivo e Uma chamada no dia 15 de abril para o Man on Curso Objetivo e quer ouvir o áudio, vá para o Man on Curso Objetivo web site para ouvir.

Ao longo da última semana, eu compartilhei com vocês os dois primeiros blocos propósito central que são:

Objetivo bloco # 1 = o medo Triad
Objetivo bloco # 2 = a Voz Duvidando

Agora é hora de explorar o terceiro dos 3 Finalidade Blocks. Bloquear Purpose # 3 é o Vortex distração.

Em nossa cultura moderna e saturada de mídia e tecnologia orientada, temos uma lista interminável de coisas que podemos fazer em nossas vidas diárias para nos manter ocupados e nossos horários extremamente completo.

As escolhas diárias são incompreensível ... programas de TV, livros, internet surf, esportes, telefonemas, pornografia, e-mail, filmes, passatempos - e assim por diante. E tudo isso é, além de nosso trabalho diário (que esperamos que paga as contas).

Todas estas possíveis atividades compõem o Vortex Distração: a associação de roda de coisas constantes e aparentemente intermináveis ​​que fazer ... que pode sugar toda do nosso precioso tempo.

Nenhuma dessas atividades, em si mesmas, são inerentemente "bom" ou No entanto, se estamos a gastar muito do nosso tempo no Vortex Distração "bad." - Há uma boa chance de que também estamos a distrair-nos de que poderíamos quer mais em nossas vidas: conexão mais profunda, mais alegria, mais significado, e um senso de propósito mais claro.

E porque a viagem para esses estados podem ser mais sutis e pouco claro, é francamente mais fácil e provavelmente mais calmante para entorpecer-out e check-out com uma distração suculento como um show de TV, uma série de vídeos do YouTube, ou um romance trashy.

O desafio ea pergunta é: "Como faço conscientemente navegar neste Vortex Distração, de modo que não sugam todo o meu tempo? - E, em vez libera o meu tempo para focar em viver mais plenamente para o meu propósito"

Aqui estão três passos que você pode tomar para ajudar a libertá-lo do Vortex distração.

1. Diminua a velocidade e observar a sua atividade
O primeiro passo é usar o que quer que quietude prática que você tem, como a meditação ou mindfulness, para retardar-se para baixo a cada dia (e se você não tiver um, em seguida, iniciar um), e começar a observar o que puxa a sua atenção para o que você faria considerar distrações insalubres.

Em seguida, assumir uma "prática consciência distração" uma semana, acompanhando onde você está gastando seu tempo nas atividades que você considera distrações. Isso traz à consciência que atividades você usar como distrações para não enfrentar algo mais em sua vida.

2. Observe o que você está evitando
O segundo passo é perceber que você pode estar evitando em sua vida que as distrações ajuda você não tem que enfrentar. É tipicamente algo que você não quer olhar, e que faz você se sentir desconfortável ... algo que você luta com a sua vida.

Ser mais consciente da atividade, sentimento ou a energia que você está evitando ajuda a estourar a bolha em seus padrões de distração. Agora você tem a consciência para fazer uma nova escolha sobre se a exercer as distrações específicas ou não.

3. Recommit com Suporte
Como você pode ver mais claramente como suas distrações particulares não atendê-lo, agora você pode comprometerem-se com as ações e atividades que realmente apoiam e atendê-lo - seu próprio crescimento e sua finalidade.

Ao declarar o seu compromisso com as atividades que alimentam as suas paixões e propósito para outra pessoa perto de você ajuda você a ficar responsável para não escorregar de volta para as distrações insalubres. Este apoio é fundamental para romper o Vortex distração.

No Man on Curso Objetivo, a partir de amanhã (17 abr 2014), passamos dois dos sete semanas em olhar para os padrões e hábitos que nos levam para fora da expressão mais completa da nossa autêntica força, criatividade e propósito. Isso ajuda a limpar o caminho para trazer mais energia e poder para o nosso propósito.

Para o seu propósito livre de distrações,
Chris

. PS The Man on Purpose Curso começa amanhã, 17 de abril, e ainda há tempo para registrar e bloquear a sua sede no curso . Clique aqui para se inscrever para o curso Um homem que fez o curso no ano passado, disse:

"O curso me abriu para o desejo e paixão para começar a viver como um homem que vive para ser mais de serviço em todos os aspectos da vida. Não "o que é o meu propósito?", Mas sim como viver com propósito! "- Edward Werger

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. Em parceria com a humanidade Project® EUA, que recentemente criou The Power of Purpose Summit eo Man On Purpose curso on-line. Ele também é o co-criador, com Amy Ahlers, do tele-série em curso, New Man, New Woman, Vida Nova.

Além de seu trabalho de desenvolvimento de liderança, Chris passou mais de 24 anos como executivo, empresário, consultor e coach de negócios, trabalhando em empresas da Fortune 500 e ter sua própria empresa de viagens eco-aventura. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. Ele vive com sua esposa no norte da Califórnia.

Google+ Facebook Chilro Ação

Curioso para saber por que está aqui? Q & A especial chamada!

Q & A especial chamada Esta noite & Anúncio importante

Recebemos um monte de grandes questões ao longo da última semana em torno do tema de propósito e que querem saber mais sobre o nosso próximo curso - Man On Purpose: The Essential 7 semanas de curso on-line para homens , que se inicia em 17 de abril.

Como eu mencionei no meu último post, George Daranyi e eu vou estar hospedando um Q & A interativo especial chamada esta noite - Terça-feira 15 de abril. Iremos responder a algumas das perguntas mais frequentes sobre o curso, e também sobre como você pode acessar o seu poder oculto para activar as suas paixões e propósito no mundo.

Se você tem dúvidas remanescentes sobre o curso, entre em aderir a esta especial Q & A chamada esta noite, 15 de março às 5:30 horas, horário do Pacífico para obter as respostas que você precisa.

===========================================

Veja como acessar o Q & A sessão com George e eu:

HOJE no 05:30 Pacific / 08:30 Oriental / 12:30 UTC + 1

Para ouvir por webcast on-line, acesse:

http://InstantTeleseminar.com/?eventid=54169320

Para ouvir por discagem do telefone:
Número: (425) 440-5100
Código de acesso: 405934 #

============================================

Um certo número de homens que experimentaram o trabalho com a gente estavam ansiosos para compartilhar como ele tinha melhorado e mudado suas vidas:

"Eles me mostrou como eu estava dormindo durante a maior parte da minha vida, e como eu precisava para" despertar "e assumir o controle da minha vida, a assumir a responsabilidade e ser responsável por minhas ações. No programa, eu recebi as ferramentas para voltar à integridade com a minha família, meus amigos, e, principalmente, com a mim mesmo ... Eu aprendi que, a fim de fazer a diferença neste mundo, para viver em meu propósito, primeiro eu tinha que mudar eu mesmo. "- Joe A.

"A abordagem de Chris me ajudou a ver que eu não estou mostrando-se totalmente na minha vida e as sombras que estavam me segurando. Sua intuição e consciência me guiado para enfrentar essas sombras e me ajudou a ficar presente, mesmo quando era desconfortável. Com a ajuda de Chris, eu encontrei a minha borda crescendo e aprendeu a tomar o que eu experimentei nas sessões em minha vida profissional e social, as minhas relações íntimas e, acima de tudo, a minha viagem interior. Ao experimentar este lugar de "sabedoria profunda", propósito e amor feroz, eu experimentei a essência da minha verdadeira natureza. "- Tim C.

Eu também queria que você saiba que a nossa opção 3-pagamento termina nesta sexta-feira. Então, se você está planejando para se inscrever para o curso e se beneficiariam com a opção de espalhar os pagamentos durante três meses, não se esqueça de registrar até amanhã para aproveitar esta oportunidade.

Para saber mais e registrar visite a página de informações sobre o curso.

Para viver o seu propósito,
Chris Kyle & George Daranyi

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. Em parceria com a humanidade Project® EUA, que recentemente criou The Power of Purpose Summit and the Man On Purpose curso on-line. Ele também é o co-criador, com Amy Ahlers, do tele-série em curso, New Man, New Woman, Vida Nova.

Além de seu trabalho de desenvolvimento de liderança, Chris passou mais de 24 anos como executivo, empresário, consultor e coach de negócios, trabalhando em empresas da Fortune 500 e ter sua própria empresa de viagens eco-aventura. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. Ele vive com sua esposa no norte da Califórnia.

Google+ Facebook Chilro Ação

Qual é a sua voz Duvidando mantendo-o de? - Bloco Objetivo # 2

Se você perdeu o primeiro post: aqui estão os 3 blocos de finalidade:
The Fear Triad
O Duvidando Voz
O Vortex Distração

À medida que avançamos no nosso caminho jornada propósito que estamos propensos a correr para o segundo bloco propósito: A Duvidando Voice.

Esta Voz Duvidando dentro de você pode soar como esta:

  • Você realmente acha que pode viver a sua finalidade - o que acontece com a ganhar dinheiro suficiente para a família?
  • Parece arriscado demais para mudar carreiras agora ... por que você iria querer fazer isso?
  • Onde você vai ter o apoio para assumir este novo projeto?
  • O que acontece se não der certo?
  • Você acha que você tem o talento para escrever seu livro, é realmente difícil ...

Essencialmente, essa voz interior é a parte do nosso padrão de pensamento que está questionando negativamente tudo o que dizemos ou fazemos.

E o problema é que, quando a sua voz Duvidando colide com a sua vocação, o seu propósito desdobramento, então ele quer encontrar todas as maneiras de mantê-lo de ir para o "edge desconhecido" - para os lugares que você vai ter que estender-se, ao risco, e para crescer de forma provável desconfortáveis.

A missão da Duvidando voz é para eliminar o risco, manter as coisas o "seguro", e para não ser desconfortável. Isto, obviamente, coloca-o em desacordo com você mesmo às vezes, e por isso que é um bloco central para viver o seu propósito.

Então, como é que vamos trabalhar com e neutralizar nossa voz Duvidando?

Eu descobri que a melhor maneira de trabalhar com a voz Duvidando é fazer amigos com ele.

Eu sei, mais fácil dizer do que fazer. Mas aqui está o meu processo de be-friending, ou dito de outra forma, integrando minha Doubter interior.

Comece com a nomeação da Voz Duvidando em você. Você pode chamá-lo: Duvidando Cara, ou Cantankerous Cathy, ou simplesmente Mr. Doubter. O que isso faz é dupla:

Traz leveza e humor a essa parte de nós que é muito pesado e um limitador para a nossa completa, autêntica expressão
Permite que a parte testemunhando de si mesmo para chegar assim você pode ver a perspectiva maior para além do seu medo, duvidando pensamentos ego-mente / vozes.

Então é hora de ter um breve diálogo com o seu Doubter. Ela flui como este:

"Senhor. Doubter, você tem algum verdadeira sabedoria para mim que eu deveria saber? "Aqui você está investigando para obter informações importantes que podem estar na voz duvidar. Um grão de verdade que você sente pode ser importante para o assunto em questão. Ouça o que vem de volta.

Então diga para si mesmo: "Obrigado por compartilhar. Eu não preciso de você neste momento. Estou indo agora para fazer o quarto para uma escolha que é para o meu bem maior -. A minha escolha poderes "

E agora há espaço para você fazer uma nova escolha para a sua finalidade, em direção ao que lhe traz mais vivo.

No Man on Curso Objetivo , George Daranyi e falarei sobre como transformar as suas vozes interiores negativos (o que chamamos de Inner Bullies) em aliados para o seu crescimento e expansão. Então, eu encorajá-lo a deixar sua voz Duvidando ser o novo combustível para o seu crescimento, para uma mais profunda auto-aceitação, que vai trazer mais energia e clareza de seu trabalho propósito.

Para a sua aventura propósito,
Chris

PS George e eu estamos hospedando um especial ao vivo Q & A chamada na terca-feira 15 abr às 5:30 pm PT / 20:30 ET para responder a todas suas perguntas sobre o próximo do homem no Curso Objetivo , que começa em 17 de abril. Mark você calendários agora e nós vamos estar enviando dados de acesso na segunda-feira. Clique aqui para saber mais e se inscrever no curso.

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. Em parceria com a humanidade Project® EUA, que recentemente criou The Power of Purpose Summit eo Man On Purpose curso on-line. Ele também é o co-criador, com Amy Ahlers, do tele-série em curso, New Man, New Woman, Vida Nova.

Além de seu trabalho de desenvolvimento de liderança, Chris passou mais de 24 anos como executivo, empresário, consultor e coach de negócios, trabalhando em empresas da Fortune 500 e ter sua própria empresa de viagens eco-aventura. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. Ele vive com sua esposa no norte da Califórnia.

Google+ Facebook Chilro Ação

O que você pára de reclamar ou mais plenamente viver o seu propósito?

The challenge I see constantly with people who want clarity of purpose, or want to bring more energy or focus to it, is that there's at least one BIG block   (if not several) in their life that's keeping them from being fully engaged and lit up by their purpose.

I'd like to share with you the top 3 Purpose Blocks   that I've discovered through the purpose work I've done with hundreds of people over the years; and then how to move through these blocks. Today I'll focus on Purpose Block #1.

Here are the 3 Purpose Blocks:

  1. The Fear Triad
  2. The Doubting Voice
  3. The Distraction Vortex

Purpose Block #1 is the Fear Triad . I have consistently found three specific fears that people face when diving into discovering their purpose, OR when they are trying to put the vision of their purpose into action in the world. The three core purpose fears are:

  • Fear of Survival (mostly financial)
  • Medo do fracasso
  • Fear of Ridicule

The survival instinct is deeply rooted in our old brain, the reptilian brain, and is now, in our modern culture, mostly connected with our financial resources.

So the Fear of Survival   unfolds like this: If you choose to go after your purpose, living it fully, then it may drain ALL your resources and/or not be sustainable in the future, and you won't “make it” — you won't survive. You won't be able to pay the bills and feed your family. So, it's just easier to avoid the question about purpose altogether than to face the possibility that you might not survive by living the “fantasy” of your purpose.

The Fear of Failure inside our purpose exploration can become more pronounced because the call of our purpose may stretch us into unknown areas, or test us with new approaches or concepts.

It may unfold like this: If you go for what you really want, your purpose, and fail; then you've failed on the really BIG one in life — living your purpose.” This would not just be failing on a project or a task, but may have the sense of a “whole-person failure” — the message being: “I am a failure in my life.”
The Fear of Ridicule unfolds like this: if your purpose is calling you to do something different in your life, to take on a new vision for your life with a new set of actions, you may find yourself misunderstood by family, friends, colleagues and maybe even your partner.

This exposes you to people's reactions, their own fear and their ridicule. The fear may arise that you'll be laughed, belittled or rejected because your ideas seem non-conventional or simply strange to others.
So, here is the 3-step flow of how to work with these natural fears in the Fear Triad:

> Awareness of the Fear
Notice and acknowledge the fear. It is important to pause yourself and take a deeper look inside at what these fears are for you. Name them in your OWN way and in your words. Bringing them out of the shadow and into the light of your conscious mind is the first step.

> Allow and Embrace
Once you are aware of your unique flavor of the fear, then you're ready to embrace this fear as simply a part of you and a mechanism that your ego-mind uses to keep you safe.

This means accepting the fear with self-compassion and seeing it as a natural part of your growth and evolution as a human being. It's important for you to watch your tendency to push the fear away, to deny it or pretend it's not there.

> Open to a New Choice
As you allow and embrace your fear, it begins to lose its hold and power over you. It may still be there, but it's been seen, named and embraced. So, now it's time to make a new choice that supports your highest growth and calling in the moment.

What you thought was just not possible before because of one of these fears, now may seem possible. Make a NEW choice that serves you and your passionate, creative expression.

In the Man on Purpose 7-Week Online Course we teach you a powerful tool called the Reframing Process that will help you reframe your fear messages and shift them to new possibilities and new choices.
Go to our course information page to learn more.

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. In partnership with The ManKind Project® USA, he recently created The Power of Purpose Summit and the Man On Purpose online course. He is also the co-creator, with Amy Ahlers, of the ongoing tele-series, New Man, New Woman, New Life.

In addition to his leadership development work, Chris has spent over 24 years as an executive, entrepreneur, consultant and business coach, working in Fortune 500 companies and owning his own eco-adventure travel company. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. He lives with his wife in Northern California.

Google+ Facebook Chilro Ação

Wake up call

Category: Memoir

by Gonzalo Salinas

Every morning after my run on the beach and my morning rituals, as I drive to work, I see the kids from the South Beach Elementary crossing the street, I see the cuban windows full of people buying their morning cafe cubano , I see the many yoga fans carrying their mat to their morning practice and I see the magic atmosphere of the beach waking up and starting the day.

I cross the MacArthur causeway admiring the breathtaking view, with the Miami skyline and the port of Miami on one side and the mansions in front of the ocean and the Miami bay on the other one. I take the I95, my usual shortcut to the roads in Coral Way to get to my office.

I'm grateful for all the things I get to see every morning. Por quê? Because everything I get to see every day is a blessing. I know it firsthand…

South Beach

When I was a kid, I absolutely loved to play. I was always organizing the games. I remember always playing with my older brothers, with my friends or my cousins. Inventing games, running, jumping, screaming … one of my favorites was playing soccer with a paper ball covered in duct tape. I was always busy being a kid.

Sometimes at school, the bell rang earlier than usual. I was very happy because I had the chance to go home and play, but, at that young age, I wasn't aware of how dangerous the reason was of why they were sending us home hours before the end of the school day.

My grade school was threatened by the terrorist movements of Shining Path or the Tupac Amaru Revolutionary Movement. Both terrorist groups that had taken my city, Lima, and were destroying everything they touched. When they threatened the school, the only solution was sending everyone home for the day. Most of the time, these were false alarms, somebody calling for no reason, but in the rest of the city, you couldn't go to a cafe or a restaurant because the terrorist were bombing the commercial areas, public offices, banks, private companies and every public place you could possibly imagine, spreading chaos and terror all over Lima and the rest of the country.

I grew up on that environment, without being aware of the constant risk that was just walking on the streets of my city. In 12 years of horror from 1980 to 1992, the result was approximately 70 thousand people killed. Fortunately the Peruvian government was able to bring the terror to an end.

There are many places in the world right now, like Pakistan, Iraq or Somalia where terrorism is part of the daily life. I feel so blessed to live where I live now. And I am awake – awake to the reality that not everyone experiences the world I live in. And I am also responsible for staying awake.

So every morning, I am grateful for what I see on my way to work. Gratitude, for me, is the opposite of fear. Be grateful for what you have and send your positive energies or say a prayer for those places where terror is the reality. I pray for a world where all the kids can go to the streets, and play.

Gonzalo foto

Gonzalo Salinas is an Assistant Editor for the ManKind Project Journal, a publication of the ManKind Project, a nonprofit mentoring and training organization offering powerful opportunities for men's personal growth at any stage of life. Salinas studied Literature in Lima, Peru at San Marcos University, and has been living in the United States since 2003. He lives in Miami, FL. Salinas is committed to his own personal development, and to spreading the word about the vision and mission of the Mankind Project .

Google+ Facebook Chilro Ação

Lighting the Darkness – Lumos

Guest Post

New Warrior Brother Michael Marlin from Hawaii will enlighten audiences with his stage production of LUMA: Art in Darkness during a ten-city tour at performing art centers across the country beginning March 28th.

A top comedy juggler who played Las Vegas and opened for the likes of Jay Leno, Jerry Seinfeld, George Carlin, and REM, Marlin walked away from his successful solo career in 1986. He sold his house in Redondo Beach, CA and moved to the island of Hawaii to co-found an alternative community while building and living in a tree house with no electricity.

In 1989 while standing on an active lava flow he noticed the hypnotic effect it had on people and had the epiphany, “All life is drawn to light.”

This was the genesis of LUMA, a show that has now appeared in 15 countries, 44 states and has been touring since 1998. LUMA, with a cast of seven, is a show about the subject of light that combines all manner of physical disciplines from rhythmic gymnastics, puppetry, magic, dance, acrobatics, physics and experimental methods.

Fused with a myriad of light technology from incandescent to bioluminescent, from LEDs to lasers, the tour will take it from Arizona to Massachusetts over a five-week period.

“Three years ago Marlin came to Houston and opened with his juggling act,” Sonny Elliot, a ManKind Project ritual elder recalls, “[LUMA] was a brilliant and over-the-top performance. With the 'visual' music and 'technical' dancing, along with the crowd's enthusiasm, it was a home run.”

In manifesting his vision of LUMA, Marlin encountered a lot of skepticism. He has stayed true to his brainchild, expanding the show and building on new technology as it has evolved, watching as other artists have recently flirted with some of the theatrical light elements he has pioneered, popularizing it on shows like “America's Got Talent”.

Marlin has long been a pioneer and visionary. His work in the field of comedy and juggling back in the 70's and early 80's influenced a generation of jugglers who followed. Barry Friedman from the ManKind Project in Northern California and half of the juggling duo “The Raspini Brothers”, reports, “I remember standing in our family kitchen when I was 18 years old and seeing Michael Marlin on a TV show called Real People.”

“It showed me a bigger picture of what was possible if I stuck with juggling: the possibility of having fun and making people laugh. Marlin has continued to raise the bar both artistically and professionally. His show LUMA has brilliantly merged the visual appeal of juggling with the mind-boggling technology of electronically controlled lighting.”

COME SEE LUMOS

Come see LUMOS this spring.

“The journey to take a vision bigger than one person can pull off and turn it into a physical manifestation with so many moving parts was daunting,” says Marlin. “The work I have done in the ManKind Project has helped me in an incalculable way in my ability to lead others in a clean way and not pull my hair out, (or theirs) when things don't go as planned.”

“I have no doubt that the ripples Marlin is making in the lives of both his audiences and the members of his cast will spread out and touch millions of lives,” said Friedman.

Ticket information and videos of LUMA can be found online at http://www.lumatheater.com .

Show Schedule:

March 26th Gilbert, AZ – Higley Center
April 4th Ft. Collins, CO – Lincoln Center
April 6th Santa Fe, NM – Lensic Theater
April 7th Las Vegas, NM – University of New Mexico Highland Center
April 11th Chippewa Falls, WI – Heyde Center
April 12th Madison, WI – Barrymore Theater
April 13th Schaumberg, IL – Prairie Performing Arts Center
April 20/21st Roanoke, VA – Jefferson Center
April 27th Storrs, CT – University of Connecticut Jorgensen Center
April 29th Queens, NY – Queens College
May 2nd Worcester, MA – Hanover Theater

Google+ Facebook Chilro Ação

Video: “The Revolution is Love” with Charles Eisenstein

shared by Chris Kyle

This powerful 4-minute video features Charles Eisenstein, author of Sacred Economics , from a documentary about the Occupy Movement. Charles will be a featured speaker at the ManKind Project USA's upcoming Power of Purpose Online Summit in March 2014 (more details are coming soon).

I love Charles' last line of this video clip: “…Everybody has a unique calling and it's really time to listen to that. That's what the future is going to be. It's time to get ready for it, and contribute to it, and help make it happen.”

Charles Eisenstein is a teacher, speaker, and writer focusing on themes of civilization, consciousness, money, and human cultural evolution. He is the author of 6 books includingSacred Economics, The Ascent of Humanity and The More Beautiful World Our Hearts Know Is Possible.

“Remember that self-doubt is as self-centered as self-inflation. Your obligation is to reach as deeply as you can and offer your unique and authentic gifts as bravely and beautifully as you're able.”
— Bill Plotkin, author of Soulcraft*

* Bill is also speaking at the Power of Purpose Summit in March.

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. In partnership with The ManKind Project® USA, he recently created The Power of Purpose Summit and the Man On Purpose online course. He is also the co-creator, with Amy Ahlers, of the ongoing tele-series, New Man, New Woman, New Life.

In addition to his leadership development work, Chris has spent over 24 years as an executive, entrepreneur, consultant and business coach, working in Fortune 500 companies and owning his own eco-adventure travel company. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. He lives with his wife in Northern California.

Google+ Facebook Chilro Ação

My Elder Soul ~ a poem

Category: Men as Elders , Poetry

by Reuel Czach

Elders, we are losing our Soul.
We are so caught up individually in petty offenses
and bickering and wounded-ness,
that we are letting our civilization and our planet die.
But most importantly,
we are letting our souls die.

When I chose to be wounded,
and walk through life withdrawn in my cave,
or I choose to be over-armored,
to the point of being weighed down,
with such heavy baggage,
nothing else matters,
…..my soul is lost.

I chose to take a step toward claiming,
my lost soul,
when I chose to meet with men in an honest, open circle.

I choose my soul,
when I decide to be so humble,
that no one can offend me.

I choose my soul,
when I chose wisdom,
over being right.

I choose my soul,
when I chose service,
over selfishness.

I choose my soul,
when I chose looking within,
to find all the evil I see outside myself.

I choose my soul,
when I walk the path of life,
where I am nothing,
and I am everything,
in sacred balance.
My choices mean everything,
my offenses mean nothing.

My offenses mean I still have inner work to do
and for the sake of generations to come,
I better get it done as quickly as possible.

My choices mean I have the power to save myself,
my loved ones, my friends, and possibly many more people,
from a mean, selfishness and a lonely death.

I feel great sadness and sorrow,
for all that is being lost.

While the distractions of hurt,
wounded-ness and bickering,
suck so much energy out of my soul,
…..and the soul of my people.

Every hurt and wound and chance to be right,
is a mirror of my soul,
and an opportunity to heal.

Faça isso! Choose healing.
Then choose wisdom and kindness,
and be the Elder you were meant to be.

Distractions are my enemy,
anything that tries to pull me off,
my narrow mission.

I just need to let Spirit control my life,
where my spirit joins and serves,
a much bigger wisdom,
than I could ever fully understand.

I am asked this day to request of myself,
and men who call themselves Elders.
A humble request,
that we focus on the wisdom to light a path,
for those who come after us.
Humble man, Jan 2014

Reuel Czach

Reuel Czach is a 60 year old, Christian man with a wonderful wife and two sons, a daughter and a stepson. He has lived in San Luis Obispo County, California for over 30 years and practiced architecture for most of those years. Czach is an I-Group Coordinator for the Swallow Creek Coastal Circle in Cayucos. He actively supports and builds the Elder community in San Luis Obispo and is the Co-Elder Chair of the MKP Santa Barbara Community. Czach leads a weekly men's circle in my church and is a leader in the men's ministry.

Google+ Facebook Chilro Ação

Meu propósito em vez do meu relacionamento?

por Chris Kyle

I came across this quote from David Deida (author of Way of the Superior Man ) a couple of days ago:

“Admit to yourself that if you had to choose one or the other, the perfect intimate relationship or achieving your highest purpose in life, you would choose to succeed at your purpose. Just this self-knowledge often relieves much pressure a man feels to prioritize his relationship when, in fact, it is not his highest priority.”

I have to say right off the bat, that when I first read this quote I thought to myself… do I have to choose one OVER the other?

E então outra parte de mim se levantou (na minha cabeça, é claro) e disse: "É isso mesmo, alcançar meu maior objetivo seria definitivamente rock!"

Clearly there's a conflict running inside me regarding how I prioritize living my purpose as a man, and where I place my relationship.

Então, quando eu olho para minha própria vida para investigar essa questão da prioridade de propósito, eu vejo que estou mais vivo, empenhado e apaixonado quando eu estou fazendo o que eu amo, dando meus dons e trazendo o meu propósito para a frente para servir outros.

E se eu decidi escolher o meu relacionamento ao longo viver plenamente em meu propósito, eu acho que uma parte de mim que murchar. And I know that my power and confidence would be diminished in the world.

And at the end of the day, I don't want living my purpose to hurt or damage my relationship with my wife. Eu sei que eu posso dar a minha presença plena e coração para o meu relacionamento, sem sacrificar o meu propósito.

Mas o suco de fogo real e em nosso relacionamento vem de me fazer escolhas corajosas para seguir meu coração e intestino, e dar meus presentes, o meu propósito com paixão e sem desculpas. And my wife finds this super sexy and is proud of me even during the times I am putting my purpose work above our relationship time.

The twist here is that in my experience living boldly into my purpose, with all the triumphs and failures that goes with that, my relationship thrives.

E, claro, o meu propósito como eu compartilhei acima se aplica a minha esposa também (ela é um "ser" também), e para que eu possa estar em meu propósito, apoiando-a em sua trajetória de crescimento.

O que eu ouço de muitos homens com quem eu trabalho é que eles estão se esforçando para fazer o seu trabalho de relacionamento ou para agradar o seu parceiro para que eles possam ter uma vida mais harmoniosa e "fácil".

O desafio de colocar seu relacionamento acima da expressão plena de sua finalidade, é que ele diminui a energia, incêndio e confiança em si que poderia infundir o relacionamento com muita paixão necessário ou suculência.

So here's how I have learned to hold this priority tension between relationship and purpose. I give my full presence, attention and heart to my relationship whenever we are together. I am not half-there or checked out because I'm thinking about work, or half-listening to her because my purpose work is invading my thoughts and it's THE PRIORITY.

Em vez disso, quando eu estou envolvido em meu trabalho propósito, eu estou lá totalmente e fazer disso uma prioridade em minha vida, mesmo que isso signifique fazer algumas escolhas difíceis sobre o tempo que passo com minha esposa.

Acho que o equilíbrio natural surge quando estou apaixonadamente envolvidos em meu propósito e eu trago que o suco e fogo em meu relacionamento com presença total e um coração aberto - independentemente de quanto tempo que temos uns com os outros (dias ou minutos).

E você sabe, eu ainda Reservamo-nos o direito de fazer o meu relacionamento o foco do meu propósito, em determinado momento, se ele precisa e exige mais de mim por um período de tempo. Como é isso para uma ressalva liso - e tem sido verdade em momentos específicos em minha vida.

Continue trabalhando a sua vantagem finalidade, trazer plena presença a cada momento, manter o coração aberto e você vai ver a sua vida subir ... tanto em seu propósito e seu relacionamento.

CK

PS What do you think? Deixe um comentário!

Chris Kyle

Chris já treinou e treinou centenas de pessoas para obter maior sucesso em seus negócios e suas vidas. In partnership with The ManKind Project® USA, he recently created The Power of Purpose Summit and the Man On Purpose online course. He is also the co-creator, with Amy Ahlers, of the ongoing tele-series, New Man, New Woman, New Life.

In addition to his leadership development work, Chris has spent over 24 years as an executive, entrepreneur, consultant and business coach, working in Fortune 500 companies and owning his own eco-adventure travel company. Chris formou na Universidade de Stanford, onde estudou Ciências Políticas. He lives with his wife in Northern California.

Google+ Facebook Chilro Ação

The World Needs More Elders

By Donald Clerc

What's the difference between being an Elder and being elderly? I never really thought about that question until joining the ManKind Project two years ago.

I'm 57, have three grown children, one young grandchild, and own my own business. So I've “been around the block” a few times and have learned a thing or two along the way. But no one had challenged me on what I can do with that experience and wisdom in this second half of my life.

What are the characteristics of an Elder? We all know of older people who do not behave in an Elder way. And we also know of younger people who already exhibit Elder-like qualities. Here's what I see are some of the qualities and behaviors of an Elder:

• Speaking the truth with authority and wisdom.
• Speaking with kindness and a fierce authenticity at the same time.
• Having a gracious and open heart.
• Standing for higher values and strong standards of behavior.
• Drawing the line against counterproductive behavior.
• Giving, serving, honoring and blessing others.
• Standing in responsible support of leaders.
• Knowing when all you need to do is be present and listen.

Old-People Being an Elder is not the same as being elderly. Just because you are older doesn't make you wise. And if you don't share that hard-won wisdom with others, then you are not benefiting society as an Elder.

Being an Elder is not the same as being a leader. The Elder looks out for the leaders and the lead alike. The Elder uses his wisdom and experience for the good of everyone. His honesty and values help the young to mature and help the already mature to stay in touch with their core values.

Many other societies honor their Elders. It seems like our materialistic society only honors those people (young or old) who buy things, make things, or do things. How does one get honored for being and sharing wisdom? Elders can help the younger generations focus on developing their core values and stop being overly focused on material things.

Where can today's Elders practice their craft? I grew up in a Presbyterian church, which is run by Elders by design. But outside of organized religion, schools and businesses, where else can Elders give of their gifts? If our communities can learn to utilize all of this elder wisdom in an organized way, everyone benefits.

What stops older people from stepping into the role of the Elder? The first obstacle to overcome is the assumption or lack of awareness that one is already an Elder simply because one has already experienced a half-century or more of life. The second obstacle is a lack of training on Elder-like behaviors. These behaviors are not difficult to learn – what most people need to learn are how to undo the negative habits that inhibit or cover their natural Elder qualities from coming out.

In conclusion, young people need more Elders in their lives. They grow up easier and with more maturity. I think it's time for older people need to step into their roles as Elders. This gives them a greater sense of fulfillment and contribution to society than continuing the consumerist behaviors of when they were younger.

What we still need are a way to train more people in the second half of their life to embrace their inner Elder. And we need to develop more avenues in society where Elders can give of their gifts to others.

Donald Clerc is a computer technologist and entrepreneur. He has over 30 years experience working with computers, and started his own computer consulting company 16 years ago. Before that he was an associate school psychologist. Donald is married (for over 35 years), has three grown children and one grandchild. He completed the New Warrior Training Adventure in 2011 and is a declared Elder in the Houston MKP Community.
Google+ Facebook Chilro Ação

How we feel emotions in our Body

por Boysen Hodgson

from Discover Magazine

Research done by a group of scientists, recently published in the Proceedings of the National Academy of Sciences reveals some interesting facts about how human beings experience emotions in their bodies. For men involved in the ManKind Project, it was a nice affirmation of what we've been teaching and practicing for nearly 30 years.

In the ManKind Project, we see and hear men struggle to describe or name what they're feeling. Mad? Sad? Glad? Com medo? Humilhado? They frequently have an easy time saying what they think, or making statements that express judgment about what is happening around them, but when asked to name the emotional state they're experiencing … many men are stumped. For most of us, this is a result of being raised in families and in a culture that doesn't teach or model emotional literacy.

To help men learn what they are feeling and be able to name it; without expectation of changing it or shame for feeling it, we teach men to look their bodies for clues.

“What sensations are you feeling?”
“Where are the sensations in your body?”
“What color (shape, size, texture) might it have?”
e, finalmente, ...
“If you were to give it a name … mad, sad, glad, afraid, ashamed … what would you call it?”

This basic template for exploration begins to tease apart the stories and narratives in our minds from the raw physical experience we are having in our bodies. Often this is the first step in decoupling habits of reaction so that men can make changes in their behaviors and beliefs about themselves and the world.

Emotion – the felt sense, the hormonal and neurological chain-reaction set into motion by thoughts and experiences of the world – is one of the most powerful sources of information we can harness to improve ourselves and have a positive impact on the world. Many of us create habits of denial, repression, and avoidance of our emotions that have wide ranging personal, interpersonal, and cultural impacts in our communities.

This is a great time to bear witness to the cultural awakening that is underway.

Men's Work – the difficult and fantastic process of waking up, growing up, and showing up in the world for the benefit of humanity – is main-stream. As soon as this article was published, ManKind Project men from around the world were sharing it with quips about printing it out as a quick reference guide for men beginning the exhilarating process of connecting 'head' and 'heart.'

Here is the link to the article:
How we feel emotions in our body

Boysen Hodgson

Boysen Hodgson is the Communications and Marketing Director for the ManKind Project USA, a nonprofit mentoring and training organization that offers powerful opportunities for men's personal growth at any stage of life. Boysen received his BA with Honors from the University of Massachusetts at Amherst, after completing 2 years of Design coursework at Cornell University. He has been helping companies and individuals design the change they wish to see in the world for 15 years. He's a dedicated husband.

Google+ Facebook Chilro Ação

20 Diagnostic Signs That You're Suffering From “Soul Loss” . Article by Lissa Rankin

by Gonzalo Salinas

I'm extremely grateful to Dr. Lissa Rankin. I think she saved me by helping me understand what was happening in my life. I was training for a triathlon, and I wasn't feeling good. My body couldn't take it anymore and when I went to three different doctors, they each ran some tests, and the result was the same: Everything was all right.

But I wasn't feeling good. One night as I was leaving work, checking my email, I found a video in my inbox, I can't recall now who it was from. The title was The shocking truth about your health by Dr. Lissa Rankin. It was a TED talk from 2011 (I included it below). After watching the entire video, I was hooked. I ordered her book Mind Over Medicine , and I started a healing process that was more related to a daily practice of my passion than to a pathology.

Lissa Rankin is a brave soul fighting against a system that treats our bodies like machines. Her armament to fight the battle: LOVE. She says her mission is to highlight the “ care in the health-care.” I consider her work an amazing opportunity for every doctor, healer, therapist, shaman, people involved with medicine or any kind of healing practice to learn and grow in their practice.

She is on a mission. And she is being recognized. I pray that she continues healing humankind.

Here is a link to a great article she wrote. Check it out, and consider getting involved:

20 Diagnostic Signs That You're Suffering From “Soul Loss”


Gonzalo foto

Gonzalo Salinas é editora assistente para a humanidade Projeto Journal, uma publicação do projeto da humanidade, uma orientação e formação organização sem fins lucrativos que oferece oportunidades poderosas para o crescimento pessoal dos homens em qualquer fase da vida. Salinas estudou Literatura em Lima, Peru, em San Marcos University, e tem estado a viver nos Estados Unidos desde 2003. Ele vive em Miami, FL. Salinas tem o compromisso de seu próprio desenvolvimento pessoal, e para espalhar a palavra sobre a visão e missão do Projeto Humanidade .

Google+ Facebook Chilro Ação

Drive-Thru, 08h23 McDonald

Categoria: Paternidade , Memoir

por Wentworth Miller

McDonald
Williams, Califórnia
23 de dezembro de 2013
08:32 (aprox.)

Eu puxar para o drive-thru, vazio, exceto para o gigante branco Suburban à minha frente, chegando a par das callbox, como um encaixe iate. Quando a janela rola para baixo Eu posso ver o condutor no seu espelho lateral. Masculino, calvo, 30s.

O porteiro crepita como arremessos de funcionários de um McDonald seja o que for que ele / ela foi condenada a lançar no topo da ordem. Dada a época, presumivelmente algo férias-ish. Alta em frutose.

Rolou da minha janela para que eu não posso ouvir a sua troca, mas eu posso ver os lábios do homem em movimento, seus olhos pastar o menu. Ele se afasta do callbox, aborda alguém dentro do Suburban, perguntando o que eles gostariam de café da manhã. Presumivelmente.

Foi quando eu perceber quantas pessoas ele tem com ele. Uma carrada literal. Vejo várias cabeças. A maioria deles pequenos. Este cara tem quatro ou cinco crianças lá dentro. Finalmente. Além disso, a esposa. Todos eles querem pequeno-almoço. Nenhum dos quais já foram para um McDonald, aparentemente, porque o homem por trás do volante está falando-los por toda a porra do menu. Até o último item. Aparentemente.

O porteiro crepita novamente e eu olho no espelho retrovisor, ver dois carros esperando atrás de mim, seu escapamento misturas com os meus enquanto os segundos passam.

Eu olhar para trás, Dad Suburban, silenciosamente desejando que ele apresse-se. Ele não faz. Ele está sorrindo, tomando seu tempo, certificando-se de que ele está recebendo ordem de todos direita.

Eu imagino que a sua voz na minha cabeça.

"Sim ... eu posso conseguir um bacon, ovo e queijo Biscuit? Nenhuma espera - alérgica de Lexie para queijo. Posso obter um Bacon & Egg Biscuit sem queijo? Nenhuma espera - você pode que um McMuffin fazer? Posso obter um Sausage McMuffin com ovo? Não queijo. Lexie não pode ter queijo. "(McCetera.)

Tudo que eu quero é um grande café com dois cremes na lateral.

Infelizmente para mim, papai, mamãe, trinta e seis irmãos e irmãs Lexie, e de Lexie vai precisar de mais alguns minutos para fazer as suas mentes.

Eu suspiro e olhar para a minha esquerda, tento me distrair com o ponto de vista do lado de fora da minha janela. Mas não há nada para ver. Apenas um, extensão plana e seca se estende até o horizonte, uma vista de inverno sombrio de cinzas, marrons e beges neste Dust Bowl criada pelo Congresso (se os outdoors que revestem a 5 estão a ser acreditado).

Dirijo-me o meu olhar de volta para o Suburban, mirar em Dad (de novo), ainda enquadrado em seu espelho lateral. Ele está coçando o queixo, olhando para o menu (novamente). Considerando-se as suas opções. Eu não sabia que as pessoas ainda acariciava seus queixos.

Eu olho no espelho retrovisor, ver que existem agora três carros atrás de mim. Aí vem o quarto.

Vários cenários passam pela minha cabeça.

1 Cenário: eu bato meu chifre duas vezes. Beep Beep. Watch as Dad's eyes meet mine in the side mirror. Sua testa franze. Eu sorrio. Encolher de ombros. Like, “Could you hurry it up, please?”

2nd Scenario: I violently stab my car horn. BLAP. Watch as Dad's eyes meet mine in the side mirror. Sua testa franze. I lift my hands. Encolher de ombros. Like, “Whoops – didn't mean to hit the horn. But while I have your attention, could you hurry it up, please?”

3rd Scenario: I violently stab my car horn. E segurá-la. BLAAAAAAAAPPPPPPPP. Watch as Dad's eyes meet mine in the side mirror. Sua testa franze. Encaro-o para baixo. Like, “Yeah. You heard me.” He sticks his head out the window, looks back at me. “You gotta problem?” Maybe he actually opens his door, gets out and walks back to my car, wants to find out what my problem is face to face. (This scenario could lead to violence. Fisticuffs. A McFlurry of punches.)

4th Scenario: Someone behind me taps THEIR horn. Beep Beep. Dad's eyes meet mine in the side mirror. Sua testa franze. I lift my hands. Encolher de ombros. Like, “Hey – wasn't me, buddy. But while we have your attention…”

My fingers drum the steering wheel.

Then, at last, he's done. Miracle of miracles. I sweep in behind the Suburban the second it moves forward, colonizing the space it so recently occupied. If it were a seat it would still be warm. Agora é a minha. Todos os meus. I have my window rolled down. I am breathless with impatience. Ready to order.

“Hi and welcome to McDonald's! Would you like to try our new -”

“Can I get a large black coffee with two creamers on the side?”

“Will that complete your order?”

"Sim. Obrigado. "

“Your total is f – ”

I drive past the callbox and up to the first window, the window where you pay. Ou pelo menos eu tento. But the Suburban's still there. Idling. Claro. I can't tell if Dad's paid and waiting for change or if he's still digging around looking for exact coinage.

I lift my weary eyes to the top of his vehicle, spot a rooftop cargo carrier. Negro. Considerável. Gostaria de saber o que está dentro. Body parts maybe. Or Christmas presents. Body parts wrapped as Christmas presents. They're probably on their way to Grandma's house. Or a vacation cabin. ('Tis the season.)

I see movement out of the corner of my eye, catch a McDonald's employee handing Dad back his credit card and receipt. Dad says something in return (thank you?). Smiles. This guy's all fucking smiles. A regular chucklehead. Aparentemente.

Dad says something else to the employee (Merry Christmas?). Then, instead of driving forward and keeping the line moving, instead of showing a degree of awareness and/or respect for the fact that he/they are not alone in this drive-thru and/or world, Dad stays where he is. I see him looking down at his lap, fussing with something. His credit card maybe. He's putting it back in his wallet. THEN he'll move forward.

For fuck's sake.

One of the kids must've said something funny because now Dad is laughing, hard, head thrown back. I see gums in the side mirror, a small black gullet ringed by tiny white teeth.

The 1st Scenario pops into my head again, the one where I tap my horn twice. Beep Beep. Watch as Dad's eyes meet mine in the side mirror, brow furrowing. Eu sorrio, encolhendo os ombros. “Could you hurry it up, please?” Dad gives me the stink-eye but pulls forward, allowing me to pay for my coffee at the first window. A minute later I'm back on the 5, nursing my cup of joe and listening to some tunes, inner monologue re: the family in the white Suburban being rapidly replaced by thoughts re: me. And lunch. Then me again.

Meanwhile – still 1st Scenario – the Suburban's back on the road as well, but now Dad's mood has soured. He's still thinking (brooding) about that asshole behind him at McDonald's, the one who honked his horn. The one who wanted him/them to hurry the fuck up. That honk felt personal. Like an insult. Dad thinks maybe he should've gotten out of the car and walked back there, found out what that guy's problem was face to face. Sim. Talvez ele devesse ter. Dad knows he ought to let it slide but can't, has never been good at shrugging things off. His fingers drum the steering wheel.

Dad's wife sits next to him, tense, eyes front, shoulders climbing up to her ears. There's been a change in the weather and she knows it. She's heard this record before. She gives her husband a look, assessing the situation, finger to the wind, waiting to see where this will go. But she can guess.

Lexie and her thirty-six brothers and sisters sit behind them, subdued now. There's been a change in the weather and they know it. They eat quietly, trying not to crinkle their Sausage McMuffin with Egg wrappers too loudly. To no avail.

One of them is an hour and 42 minutes away from getting slapped.

It might happen sooner. It might happen later. Mas isso está acontecendo.

I sit in the drive-thru with my foot on the brake, staring at the backs of those little heads in the Suburban in front of me, wondering which of them it will be.

Do I know for sure that honking my horn means one of those kids is getting slapped?

Claro que não.

Would I really be responsible if the former resulted in the latter?

Não. Isso é um absurdo.

Ish.

If Lexie and her thirty-six brothers and sisters are growing up in an environment where slapping occurs, slapping will occur, no matter how quietly they eat their breakfasts. No matter how many drivers refrain from honking at Dad, palms will meet cheeks.

Garantido.

But I don't want to be a link in that chain.

So I still my fingers on the steering wheel and leave my horn unhonked. I will wait the extra 5 minutes for my morning coffee. I will let Dad – still chuckling, by the way – pull forward to the pick-up window when he's good and ready.

Por mim tudo bem.

When he does I follow behind, moving well under 5 mph. When I stop next to the pay window, I brake so gently I can barely tell I've braked at all. Or that I was ever moving.

I've got my bills and exact change ready. $4.34. I extend my closed fist toward the window as it slides open, revealing a ponytailed teenager in a McDonald's visor and faded parka. She smiles apologetically, nods toward the Suburban in front of me. Encolhe os ombros. Says, “Sorry about the wait. That guy took forever, huh?”

Wentworth Miller

Born in England, raised in Brooklyn, New York, and a graduate of Princeton University, Wentworth Miller is a compelling and critically acclaimed young actor whose credits span both television and feature film. Learn more about Wentworth Miller at IMdb . Miller is a member of the ManKind Project USA, Los Angeles Community.

Google+ Facebook Chilro Ação

Embrace Bad Experiences Like a Warrior

by Shawn Rhodes

O que mais me lembro a primeira vez que alguém tentou tirar a minha vida era como boa a água provei.

It was spring of 2004, and I was in a cargo vehicle full of infantry Marines. Nós dirigimos para fora para proteger um viaduto usado como rota de abastecimento para Bagdá. It was being shelled regularly by the local Jihad constabulary. The big, clunky vehicle pulled under the bridge and we waited for further orders. Aparentemente, é uma má idéia para estacionar um veículo em um ponto o inimigo tem muita experiência de bater. Nós imediatamente começou a receber fogo de morteiro de entrada.

Eu ouvi a ordem de abandonar o veículo, e eu era duas pessoas da porta traseira. O homem mais próximo da volta saltou dos 12 metros da cama do caminhão para o chão, rolou no chão e correu para se esconder como as rodadas choveu em torno dele. O segundo homem seguiu, e foi salpicado por estilhaços ao longo do lado direito de seu corpo. As rodadas veio em incrementos de meio segundo, e quando atingem o pavimento em torno de nós, era como gêiseres aberto. Smoke, gravel, and pieces of steel sprayed up and out like jets of black steam. I jumped from the vehicle and a mortar exploded underneath me.

The next thing I remember was swinging from the rear tailgate of the huge truck as it lurched forward. One hand gripping the steel while the rest of me banged around against the bumper. Eu caiu no chão e eu verifiquei - não há feridas. When we finally settled in for the night, I realized I'd never been so thirsty. That lukewarm, stale, chlorinated water tasted like it had come from the Swiss alps.

Eu compartilho esta história porque eu quero refrescar sua memória. Eu quero que você se lembra da alegria que vem de sobreviver. Mais importante, eu quero compartilhar com vocês um princípio fundamental de viver uma vida com Shoshin, Coração do Iniciante:

Os melhores momentos ocorrem quando você empurrar-se (ou são empurrados) além do que você acha que pode lidar. It is what you do with that victory, however, that defines the rest of your life.

Trauma is a well-recognized and ancient way of bringing oneself to the brink of what we think we can handle. If someone survives, it changes them forever. Muitos dos veteranos que eu lutei com ainda estão chegando a um acordo com o que eles experimentaram no campo de batalha. These folks were certainly physically stronger than I was, most were smarter, and our training desensitized all of us to violence. So why do some of us return after these experiences re-dedicated to fulfilling our life's purpose, while so many leave their life's passions in the desert sands?

As pessoas nos machucar. Others are taken too early. What do we do with the emptiness echoing within? A solução pode surpreendê-lo - não é perdoar e esquecer, e certamente não está fingindo que não aconteceu. If an event in life challenges your reason for living as fully as possible, pick up the mantle of the warrior again. Mesmo que você nunca pensou em si mesmo como um guerreiro, o espírito de serviço vive dentro de você. It is your human calling and it's a way to embrace challenge in life.

Think of the most traumatic events in your life, and the details involved. Lembre-se de como as coisas se sentiu ou cheirado. Record it on a piece of paper. Se essas lembranças não me sinto como uma ferida não cicatrizada, você já fez o trabalho de cura de um espírito guerreiro ou sua vida é abençoadamente livre de trauma.

What do you want to invite back into your life? Ludicidade? Alegria desenfreada? Trust? Anotá-la. Se for stumping você, pergunte a amigos ou familiares que você soube antes e depois do evento notou qualquer alteração.

If the event re-played itself in your mind every hour (and it does for some of us, doesn't it?), what would you do to make the memory bearable? This is assuming you're tired of avoiding the memory and are ready to regain what you lost.
Os guerreiros são chamados a viver uma vida de excelência. Striving to be fulfilled brings lessons of both victories and defeats. What separates a warrior from a victim is what they choose to do with the rest of their lives. Como todas as questões da vida, o mais rápido você corre, mais rápido eles perseguem. Os guerreiros não correr, se escondendo atrás de álcool, drogas, ou fingir algo que não aconteceu. Um guerreiro não o que eles amam - eles se divertem em jogar no campo de batalha de suas vidas.

Of course, the events that shaped us no longer exist, except in the past and in our memories. You see, the place warriors reclaim lost parts of themselves is within their present moments. It's there we walk the path. Remember, a warrior is one who serves a higher calling. Se você está lendo isso e você sobreviveu aos eventos traumáticos de sua vida, é seguro dizer que você quer aproveitar ao máximo seus momentos presentes. Your higher purpose, your passion, your call to live with your own beginner's heart is echoing through you into your empty spaces so that you can act on it. Você merece viver uma vida excelente.

Então, como podemos trazer o que está faltando para trás em nossas vidas? As any martial artist will tell you, once you learn a 'difficult technique' it's a forehead-slapping experience when you think of how much you struggled to perform something so simple.

But that technique, that missing piece and that life you dream about will never materialize unless you begin practicing. You have to send out what you want to bring into your life. Comece agora. Rir em todas as oportunidades. Trust in small increments until you can turn your life back over to the universe. Pratique dar aos outros as coisas que você está em falta e saborear o retorno à medida que flui de volta para sua vida. Seize those moments and taste them; drink deeply.

Como John Turturro disse em O Brother, Where Art Thou:

"Vamos nos meninos, a água está bem."

Shawn Rhodes

As an award-winning Marine war correspondent, Shawn Rhodes traveled to more than two dozen countries fighting alongside US Marines. His stories and photos have been featured in TIME , CNN and MSNBC in addition to major wire services. He was a top combat reporter in the military and recognized by Congress for sharing the warrior's lifestyle with the public. He then lived and trained at a martial arts temple in Japan, learning how the warrior's mindset could be used for victory in battles and boardrooms. Atualmente, ele é um palestrante e treinador de sucesso, ensinando as pessoas a alcançar o sucesso e felicidade, utilizando os métodos que ele aprendeu com os guerreiros de todo o mundo. Ele foi iniciado no NWTA em outubro de 2013. Saiba mais sobre Shawn Rhodes em seu web site: Shoshin Consulting

Google+ Facebook Chilro Ação

Resolutions? Mudanças? A New Endeavor? Remember this…

Category: Men and Mission

guest post: by Patricia Clason

Thinking about “growing” some goals, making some changes, starting something new? Whether you are making changes for growing your business or a having a more satisfying personal life, you may want to remember this story.

Wanting to fill his yard with the smell of lilacs, the man planted several bushes in his garden. After a few weeks, he was frustrated because they hadn't blossomed and he pulled them up and replanted them in another part of the garden. “Perhaps they'll get more sun here and then blossom,” he thought. A month later, they still hadn't blossomed.

So he pulled them up and replanted in another area of the garden, this time angrier than before. In the fall, the bushes still hadn't blossomed so he pulled them out and threw them away!

Immediate gratification. American society is programmed for it – a pill to take away the headache, a candy bar for instant energy, a credit card so you can buy what you want right now. We want what we want and we want it when we want it.

We forget that the world is made of cycles and processes. The lilac bushes needed a season to settle into the earth and send down roots. Nature gives us the wonderful example of seeds needing to build root systems before they sprout above ground and grow into the plant they were meant to be.

In your business or personal life, have you been pulling up the roots, replanting in what you thought might be sunnier spots, only to find that you aren't getting the blossoms you yearn for? Perhaps it would be best if take the time to nurture a root system.

Get grounded. Explore through books and seminars the possibilities and potentials available to you. Make sure that you are not operating out of anxiousness, frustration, anger, stress or fatigue. The choices we make at emotional times are often not well processed through our “root system” and therefore don't usually reflect Who We Were Meant To Be. Instead those choices reflect the chaos of the storm going on around us. Allow the storm front to move through. Just notice the emotions, feel them at the moment. There is no need to take action, other than to protect yourself if necessary from the elements that might be dangerous to you. When the storm has passed, the calm settles in. Review what has happened.

Before making decisions to sprout into the new business, relationship, home or whatever new directions you are choosing, remember the Chinese bamboo, Moso, takes several years to build it's root system before ever appearing above ground. However, it's root system is so strong that it will grow to 60 to 75 feet tall in the five years following it's appearance. The bamboo will grow to a strong and powerful eight inches in diameter.

Gib Cooper is a bamboo gardner. He offers this saying for us to ponder…. The first year they sleep. The second year they creep. The third year they leap!

When you approach a new endeavor, you would do well to consider the wisdom of the Moso gardner. Take the time to plant and nurture the seeds of your new endeavor, choose wisely the plant you wish to become and then watch as your power and strength grow in proportion to the root system you have developed. Give up immediate gratification for the long term pleasure, satisfaction, and strength of the moso forest!

A professional speaker since 1975, Patricia has created over fifty workshops, speeches, and keynote presentations highlighting the skills of Emotional Intelligence. A host for both radio and television interview shows for ten years with an extensive background in business and education, Patricia makes strong connections with participants from private, public and non-profit sector organizations, as well as associations. Emotional Intelligence is at the core of all of her work, helping people develop their self-awareness and social awareness skills to build effective, collaborative relationships personally and professionally. Her website gives more details and contact information.

Google+ Facebook Chilro Ação

Emotionally Closed Off: Healing Pain and Learning to Love

Category: Men and Love

By Gonzalo Salinas

Sol On the Tiny Buddha site, I found an amazing article by Joanna Warwick, a writer and a therapist who writes about Love, Emotions and Relationships. The article talks about the brave action of opening your heart, even when life has taught you to close it. Great reading!

Letting go came with what seemed like an ocean of tears and unchartered anger, which I shouted, screamed, swore, prayed, talked, and physically used to punch my bed; but gradually the light started to creep in.

Click Here to read “ Emotionally Closed Off: Healing Pain and Learning to Love. ” Enjoy!

Google+ Facebook Chilro Ação

'Man Up' and Beyond … Malik Washington

Tarik Washington

Malik Washington

por Boysen Hodgson

When Malik Washington joined the “ Man Up ” program at Howard University as a freshmen, it was because he wanted to make sure he had what he needed to succeed. “ Man Up ” was a space where Malik, and many other young men like him, could get things off their chests that might distract them from being successful in their studies.

For many men, this makes a big difference. When Malik started at Howard it was expected that nearly half of the young African American men who were starting school wouldn't finish. And often it's not academics that get in the way, it's added stresses outside of school that push many young men to drop out.

Man Up ” is a place to deal with those extra stresses and get support from mentors and peers. As New Warriors , the format for the circles would seem very familiar, with some similarities to our I-Groups.

Now, only a few years later, Washington is using some of what he learned in those men's circles, and his subsequent MKP experience, to break the cycles of violence and poverty in communities all over the northeast as the CEO of the William Kellibrew Foundation .

From the Kellibrew Foundation's website:
The William Kellibrew Foundation is an advocate, bridge and community driven partner dedicated to breaking the cycles of violence and poverty. The WKF harnesses and provides resources to both victims and similarly focused organizations through prevention, intervention, education and outreach. By sharing the stories of survivors we give voice to victims, raise community awareness and empower people working to rebuild their lives, families and communities.  

Washington now manages and creates groups for both men and women, with a focus on providing trauma informed care and needed services to a large network in the DC area. He is also traveling to other cities in the northeast to setup similar programs. William Kellibrew's story is intense, heart-breaking and hopeful .

Congratulations to this Peaceful Warrior – on living a powerful mission of service in the world.

The Howard University 'Man Up' program has had deep involvement from a number of New Warriors in the Greater Washington DC community including Lincoln Brown Jr. and former DC Center Director Darryl Moment.

Boysen Hodgson

Boysen Hodgson is the Communications and Marketing Director for the ManKind Project USA, a nonprofit mentoring and training organization that offers powerful opportunities for men's personal growth at any stage of life. Boysen received his BA with Honors from the University of Massachusetts at Amherst, after completing 2 years of Design coursework at Cornell University. He has been helping companies and individuals design the change they wish to see in the world for 15 years. He's a dedicated husband.

Google+ Facebook Chilro Ação

«Página anterior - Próxima Página »